Homenagem aos que partiram

Bia
Chica

 

Laila

Nossa primeira cachorrinha, morreu tragicamente após ter sido encurralada e espancada até a morte por outros cães de rua que tínhamos recolhido. Quando chegamos na firma no dia seguinte estava morta.....sentimos saudades ....e ficamos muito tristes pela forma como aconteceu.....mas Laila jamais será esquecida, sempre estará em nossos corações.

:: voltar

Kelly ou Gorducha

Essa gatinha apareceu na firma já adulta, cuidamos dela. Levamos ao veterinário, pois parecia que estava prenhe, e nunca nasciam os filhotes. O mais provável é que alguém  aplicou anticoncepcional  nela, pois estava com uma grave infecção uterina e tinha que  ser castrada rapidamente. Deu tudo certo, Kelly se recuperou e viveu bem  conosco por anos. Já deveria ter uns 10 anos quando foi atacada de noite por cães de rua que estavam acostumados com ela. Levamos ao veterinário, internamos, ela não tinha nenhuma fratura somente hematomas pelo corpo. Fizemos ultra-som, estava tudo normal, foi medicada, estava bem, mas não resistiu, morreu no dia seguinte. Sentimos saudades desta gatinha tão tranqüila e carinhosa viveu muitos anos feliz conosco.  

:: voltar

Branquinho

Apesar de não termos foto dele, gostaria de lembrar que foi mais uma vítima da cinomose, ainda filhote.  Foi recolhido abandonado dentro de uma caixa na rua, dentro da caixa estava sua mãe, que já se encontrava morta (provavelmente por cinomose) e uma irmãzinha que foi a única sobrevivente.

Branquinho estava bastante debilitado, lutou bastante mas a doença evoluiu rapidamente para o quadro neurológico, apresentando convulsões. Tivemos que sacrificá-lo.....lembro de sua carinha até hoje .....que esteja em paz. 

:: voltar

Pretinha

Foi recolhida junto com sua mãe e seus 2 irmãos  que estavam quase caindo num bueiro, eles estavam famintos e debilitados.  Seus irmãos foram doados e Pretinha junto com sua mãe foi castrada . Logo depois, como as vacinas ainda estavam sendo feitas, ambas acabaram contraindo cinomose, foram 6 meses de tratamento com remédios e cuidados especiais. A Pretinha por ser filhotinha, lutou muito, mais infelizmente teve que ser sacrificada, pois estava definhando, não se alimentava e a doença avançava. Ela era super ativa e no fim da vida já não se levantava mais.....muito triste......mas rezamos e lembramos dela até hoje.

:: voltar

Astor

Em abril/05 este pastor foi abandonado amarrado do lado de fora de uma clínica veterinária de uma amiga. Estava com sinais de espancamento, tinha vários hematomas pelo corpo, sua desnutrição era profunda, estava pele e osso. Quando o vi me apaixonei e levei meu marido para ver. Recolhemos o pastor, começamos a tratá-lo, recuperou o pelo, mas não conseguiu ganhar peso, era magro, de temperamento extremamente brincalhão e dócil.  Ele tinha uma tatuagem na orelha, o que indicava que era registrado e que tinha pedigree. Mandamos um e-mail para Sociedade Brasileira de Cães Pastores Alemães, onde citamos  o nº da tatuagem, que era seu nº de inscrição junto a Sociedade.

Através do nº descobrimos seu pedigree. Seu nome era Astor Festung von Luggeri, Número da SBCPA: 160309, Data de Nascimento: 18/01/2000. Astor tinha nascido em berço de ouro......e não sabemos como nem porque acabou sendo abandonado nestas condições.

Vacinamos, vermifugamos e castramos. Um ótimo cão de guarda, estava adestrado  em outro idioma (talvez alemão). Estávamos socializando ele com os outros cães. Em 23/09/05, faleceu de torção intestinal. Mas enquanto esteve conosco teve todo carinho e tudo que precisava, não lhe faltou nada.....sentimos saudades.  

:: voltar

Brigite

Foi recolhida no dia de finados (02/11/05). Brigite estava na rua toda enrolada no frio e na chuva, fui levar ração e percebi que precisava de ajuda. Foi internada, suas mucosas estavam completamente amarelas, estava com leptospirose (doença contraída da urina do rato), anemia e também tinha a doença do carrapato. Fizemos vários hemogramas, ultra-som, tomou soro com medicação por vários dias. Até transfusão de sangue fizemos, a Mel (dog alemã) doou 500 mL de sangue. Mas seus rins e fígado estavam bem comprometidos com a doença, ela lutou bastante, mas não sobreviveu, morreu após 5 dias de tratamento. Rezamos para que descanse em paz.....pelo menos não morreu jogada na rua, morreu sendo cuidada, com dignidade.

:: voltar

Vitória

Esta chow chow foi mais uma vítima do ser humano, ela foi levada por sua provável dona à clínica veterinária da Dra. Valéria, pedindo que fosse sacrificada pois seu olho tinha estourado. O seu estado era lamentável, mas apesar de tudo ela abanava o rabo sem parar. Dra. Valéria me pediu ajuda para este caso, e disse à proprietária que não faria a eutanásia, pois a cachorra tinha chances, se ela queria se livrar da cachorra podia deixar na clínica, pois se levasse a outra clínica talvez fosse sacrificada.
Aí começamos a lutar junto com a chow chow de aprox. 8 anos, que pra começar, não tinha nome, demos o nome de Vitória. Ela estava com bicheira nos olhos, muitos carrapatos e pulgas, tinha sarna no rabo que quase não tinha pelo, tinha doença do carrapato. Foi tratada, medicada, vermifugada. Seus olhos cicatrizaram e a bicheira sumiu. Mas achávamos que não enxergava, quando falávamos com ela, abanava o rabo, mas não olhava, e quando andava por vezes batia a cabeça nos móveis. Os voluntários todos os dias saíam com Vitória para fazer suas necessidades, pois só fazia na rua.
Tosamos Vitória pois seu pelo era só nó, depois passamos remédio para pulgas e carrapatos, quando caíram os carrapatos as ferídas na sua pele eram bem feias. Mas seu aspecto já estava outro. Colocamos uma roupa para que não sentisse frio. Enfim Vitória foi se recuperando, mas nos últimos dias não comia bem, uns dias depois ela estava mal, Dra. Valéria a operou tentando salvá-la, pois estava com suspeita de piometra, mas eram cistos que se romperam no ovário e tinha muito líquido. Ela morreu após a cirurgia. Deixamos aqui uma mensagem para a nossa querida Vitória que lutou muito e sempre será uma vitoriosa onde estiver.......e um desabafo para aquelas pessoas que querem ter um cão seja de raça ou não, um animal precisa de cuidados, escovação, boa alimentação, banhos, vacinas, remédios de pulga, carrapato, vermífugo, ir ao veterinário, e muito amor e carinho....enfim quem não tiver como cumprir estes cuidados básicos e os gastos que não tenha um animal, pois nossos animaizinhos não merecem sofrer assim como Vitória sofreu.

Vitória quando chegou na clínica

Rabo da Vitória

Vitória após tosa Feridas no corpo de Vitória provenientes de carrapatos
:: voltar
Bia

Foi resgatada com uns 2 meses de idade na Raposo Tavares em Vargem Grande Paulista, estava cheia de carrapatos e pulgas. Tirei mais de 20 carrapatos de dentro de sua orelha. Quando oferecemos raçao comeu desesperadamente. Estava cheia de vermes e com sarna. Iniciamos seu tratamento, que foi lento, tomou vários banhos para melhorar da sarna, ela já estava bem quando iniciamos a 1ª dose de vacina aos 3 meses aproximadamente. Logo depois resgatamos a Chica que ficou junto com a Bia no mesmo canil, pois nao tínhamos espaço, e que provavelmente veio com cinomose já incubada, quando fizemos a  2ª dose da vacina ela começou a manisfestar sinais da doença. Quanta tristeza! Foi mais de 1 mes de luta, com muita medicaçao, vitaminas, alimentaçao reforçada e cuidados. Porém o vírus atingiu seu sistema respiratório, ela lutou muito mais dia 12/11/06 Bia nos deixou e descansou. Sua carinha de sapeca com as orelhinhas em pé e seu jeitinho que parecia um leitaozinho vao ficar para sempre  em nossa memória.

:: voltar
 
Chica

Foi resgatada em Vargem  Grande Paulista, veio com muita sarna e pulgas. Iniciamos tratamento, ela tinha aprox. 2 meses, já estava com cinomose, porém nao sabíamos, mas a doença demorou a se manifestar. Quando apareceram alguns sintomas, rapidamente iniciamos o tratamento com medicaçao, vitaminas e alimentaçao reforçada. Essa pequenina  foi uma guerreira, lutou até o fim,  mais a doença evoluiu rapidamente para o sistema nervoso e entrou em coma. Tivemos que sacrifícá-la pois estava sofrendo e suas chances de sobrevivência eram mínimas. Chiquinha era uma graça, brincalhona e esperta, nao ía crescer muito......mas situaçoes como essa nao sabemos o porque???..... com certeza vem parar em nossas maos para que a ajudássemos a fazer a passagem com dignidade, com amor.....e nao abandonada na rua. Lembraremos sempre da Chiquinha com muito carinho.

:: voltar